Previsão orçamentária do Condomínio. Como fazer?

Toda boa gestão de condomínio passa pela escolha de um bom síndico e de uma boa administradora. A previsão orçamentária é o grande pilar para o sucesso da administração financeira do condomínio.

Vamos separar alguns pontos que julgamos importantes para que você faça uma previsão orçamentária completa e evite dor de cabeça no futuro.

Tenha conhecimento sobre o passado do seu condomínio

É importante ter em mãos todos os gastos ordinários dos últimos 24 meses, são eles que trarão a realidade da situação financeira do condomínio.

Solicite o auxílio de uma Administradora

Síndico e a Administradora devem trabalhar lado a lado na construção de uma previsão orçamentária sólida e concreta, com todos os dados necessários.

Discrimine e separe os gastos

É fundamental separar e discriminar todos os gastos do condomínio para que não haja surpresas e você tenha o controle da situação. Aproveite e defina o valor médio dos gastos com cada item citado abaixo, isso ajudará a entender as variações de gastos entre os meses.

Folha de Pagamento
  • Nessa etapa discrimine os gastos com funcionários, sejam eles próprios ou terceirizados. A folha de pagamento costuma ser o gasto mais expressivo do condomínio, portanto fique atento.
  • Não deixe de contabilizar os gastos fixos e variáveis como férias, décimo terceiro, horas extras, encargos, entre outros.
Manutenção e Conservação
  • Essa é uma etapa importante da previsão orçamentária, que envolve gastos fixos e variáveis referente a manutenção e conservação do condomínio.
  • Lembre-se que nessa etapa é possível prever gastos futuros com serviços sazonais e com garantias à vencer. Ex: troca de peças, revisões, dedetizações, entre outros.
Contas de consumo
  • Nesse item deve ser considerado os custos com água, energia de áreas comuns e gás.
  • Atentem-se para os casos onde não há medição individualizada, situações como essa devem ser tratadas a parte conforme normas e regras vigentes.
Despesas Administrativas
  • Nesse item devemos considerar os salários dos síndicos (ou não, caso não houver), funcionários e custos com a administradora.
Material de consumo
  • Itens de consumo diário como sacos de lixo, copos plásticos, cafés, açúcar, produtos de limpeza, uniformes entre outros.
Gastos diversos
  • Neste item levamos em considerações despesas operacionais como gastos com cartório, seguro do prédio, estacionamentos, correios, cópias impressas, entre outros.

Atente-se aos reajustes anuais

Projete os índicos de reajustes anuais com base nos contratos. Atente-se aos vencimentos e aos acordos com o sindicatos para os reajustes dos funcionários.

Inadimplência

Infelizmente a inadimplência é um problema que atormenta boa parte dos condomínios e ele deve ser levado em consideração no dia a dia, sem a necessidade de esperar o final do ano para analisar a situação.

Benfeitoria (x) Manutenção

É importante separar bem os gastos ordinários dos extraordinários. Vale lembrar que as despesas de benfeitoria são de responsabilidade do dono da unidade. Em caso de dúvidas, solicite ajuda da administradora.

Saldo positivo

Sempre que possível faça a previsão orçamentária com uma folga mensalmente, para que um gasto extra de um mês compense o lucro gerado em outro.

Mostre a previsão

Seja transparente e esteja familiarizado com as previsões e relatórios. Apresente em assembleias, é importante que os condôminos fiquem cientes das despesas e receitas previstas.

E se a previsão não for tão boa assim?

Neste caso convoque uma assembleia e procure explicar os motivos pelos quais os valores previstos não são suficientes para cobrar todas as despesas mensais do condomínio.

Lembrando que a previsão deve ser acompanhada mês a mês para que não haja esse tipo de surpresas.

Erros comuns durante a previsão orçamentária

  • Não deixar uma margem para os gastos extras;
  • Deixar a inadimplência de fora da previsão;
  • Quando a conta não fechar, recorrer ao fundo de reserva;
  • Não convocar assembleias para discutir os ajustes necessários.