Economia de água em tempo de seca – economizar para não faltar

Os períodos de chuva deixaram a desejar e agora, durante o período mais seco do ano, é preciso maior atenção para economizar no consumo de água e evitar falta de abastecimento.

O último período chuvoso foi o mais seco em 91 anos no Brasil e praticamente não houve abastecimento dos lençóis freáticos. Os meses que se esperam mais chuva deixaram a desejar também em Minas Gerais.

Essa situação de alerta influencia no abastecimento de água de várias regiões e colabora com o aumento da fatura de energia elétrica. Com os níveis dos reservatórios baixos nas principais hidrelétricas, o governo necessita acionar mais usinas termelétricas para garantir o fornecimento de energia.

As termelétricas funcionando reduzem a geração hidrelétrica e, consequentemente, poupam as águas dos reservatórios, porém são mais caras e o aumento do seu uso se reflete nas tarifas das contas de luz.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu manter a conta de luz sem reajustes pelo segundo ano consecutivo em Minas Gerais, porém ainda é importante tomar medidas de economia. Mesmo em situações críticas, usando de forma racional, não faltará água.

Economia de água nos condomínios

Mesmo sendo um dos itens mais pesados dentro do orçamento dos condomínios, no Brasil se paga barato pela água. No país pagamos apenas pelo uso e não pelo recurso natural, o que dá uma falsa sensação de abundância.

Síndicos, funcionários e moradores precisam fazer sua parte, usando a água com consciência, tanto para que não aconteçam problemas de abastecimento, como para que ocorra economia na conta. Para isso muitas atitudes podem ser tomadas.

Atitudes positivas para economizar

A medida mais simples a ser tomada pelo próprio condomínio é realizar campanhas de conscientização entre funcionários, moradores e outros frequentadores do espaço. Lembretes colocados em pontos estratégicos, com dicas simples para a diminuição do consumo, para que todos façam parte e entendam da importância da economia.

O síndico deve realizar manutenção periódica para inspecionar possíveis vazamentos, analisar sempre válvulas e torneiras. Esse trabalho pode ser de responsabilidade de um zelador treinado para esse papel.

Caso o vazamento seja verificado, é importante providenciar o reparo imediatamente, seja ele de responsabilidade do condomínio ou de algum morador.

Piscinas e jardinagem também são pontos importantes na hora de pensar em economia de água. Ao cobrir as piscinas evita-se o acúmulo de folhas e resíduos, evitando trocas de águas desnecessárias. É vital verificar bombas e filtros, que, quando estão em mau funcionamento, aumentam o gasto de água.

Para os jardins do espaço, deve-se sempre evitar o uso de mangueiras. Ao regar gramados prefira os horários antes das 10 horas ou após às 19 horas. Eles evitam o excesso de evaporação.

Procure implementar em seu condomínio estações simples para o tratamento de água e a construção de reservatórios para captação de água de chuva. Elas podem ser usadas nos jardins e limpeza das áreas comuns.

Com o uso de maneira consciente, todos serão afetados positivamente pela economia financeira gerada e sem transtornos inesperados, além de colaborar com o meio ambiente.

Entre em contato com a GW para entender melhor quais as medidas cabem em seu condomínio e como podemos colaborar!